Foi lançada a 10ª Camapan...

1/6
Please reload

Moro pede para sair e mercado especula quando será a vez de Guedes

24.04.2020

Guedes é visto por parte do mercado como um possível novo alvo do presidente Bolsonaro

 

O duro discurso do agora ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, evidenciou o clima pesado em que se encontra o governo do presidente Jair Bolsonaro neste momento. Após a saída do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o mercado especula, agora, quando será a vez do super ministro da Economia, Paulo Guedes, que parece estar cada vez menos poderoso.

Moro saiu atirando. Disse que o presidente Bolsonaro queria intervir em investigações e ter acesso a relatórios. No campo da economia, a impressão não é muito diferente. Após deixar o ministro chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, na liderança do programa Pró-Brasil, uma espécie de Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) recauchutado do atual governo, o presidente deixou claro que a confiança em Guedes havia diminuído.

O processo de que fritura de Moro é bem parecido com o que Guedes tem sofrido recentemente. Por isso, o mercado está especulando até quando o economista aguentará nesse processo. Um sinal negativo aconteceu nessa própria sexta-feira: o ministro da Economia cancelou, em cima da hora, a participação em uma conferência do banco Itaú.

“O Guedes deve ser o próximo porque o presidente nunca foi liberal e sempre teve um viés estatizante muito intenso que vai aparecer agora com o Pró-Brasil”, diz Sérgio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados, que imaginava uma saída de Moro, mas não tão rápido. “Há preocupação de outras saídas também, como a da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.”

E em um momento grave como uma pandemia, a confiança no presidente Jair Bolsonaro está diminuindo. Uma prova é o tamanho do tombo que a bolsa toma nesta sexta-feira (24), acima dos 7% por volta do meio-dia. O dólar, por sua vez, segue em valor recorde acima dos R$ 5,70, e os analistas estão esperando que a escalada até R$ 6 não demore tanto. 

“A reação do mercado foi muito forte, mesmo com o Banco Central agindo de maneira rápida para segurar a volatilidade. A saída de Moro é muito forte”, diz Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset. 

Para o economista-chefe da corretora Necton, André Perfeito, compara a saída de Moro como um sacrifício de um “bispo” no xadrez. Afinal, o presidente tenta recompor a sua base no Congresso se aproximando do Centrão, que tem vários membros totalmente envolvidos com investigações da Lava Jato. 

“Vale notar que tudo isso acorreu porque o presidente entrou em rota de atrito com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia”, diz Perfeito.

Prova que o lance é arriscado foi o posicionamento do deputado federal Capitão Augusto (PR-SP), que também é o presidente da frente parlamentar da segurança, chamada de “bancada da bala”. 

Em nota, com um pesar, o deputado afirmou que vê com preocupação a postura intransigente de Bolsonaro e também que a bancada irá se “reunir para decidir os caminhos que serão trilhados daqui para frente.” É bom lembrar que o próprio Capitão Augusto foi vice-líder do governo no Congresso – e também saiu incomodado e atirando. A questão é saber se Guedes seguirá o mesmo caminho.

Procurado, o Ministério da Economia afirmou não ter infomações sobre o assunto.

 

 

 

Compartilhar com Facebook
Compartilhar com Twitter
Please reload

Veja Mais
Siga "VITRINE MAIS"
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Google Places Social Icon

Receita de Panquecas Recheadas...

Dica Técnica de limpeza do tan...

Mau funcionamento e burocracia...

Blitz da campanha Natal Solidá...

1/3
Please reload

Foi lançada a 10ª Camapanha Na...

1/6
Please reload

logo site.png
038 - 3676-7630
038 - 988089166

© 2016 Afonso Almeida Videocomunicação Ltda - CNPJ 02.524.026/0001-64 - por Kalléo Pinheiro - Agência Mais

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon