Famílias com renda de cerca de R$ 3 mil devem ter maior perda de consumo com crise do coronavírus

Brasileiros que integram a classe C1 devem deixar de consumir R$ 105 bilhões neste ano, mostra levantamento da consultoria IPC Marketing.


Pessoas passam pela rua 25 de março, em São Paulo, com o comércio fechado — Foto: Marcelo Brandt/G1

As famílias com renda domiciliar ao redor de R$ 3 mil serão as que terão seu consumo mais afetado pela crise econômica desencadeada pelo surto de coronavírus. Neste ano, esse grupo distribuído em 13,1 milhões de domicílios no país deve perder 11% do seu potencial de consumo.

Os dados são de um estudo da consultoria IPC Marketing e que analisa o consumo de cada classe social definida pelos critérios da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa de Mercado (Abep).

As famílias com renda de R$ 3.085,48 mil integram a classe C1. Em números absolutos, devem deixar de consumir R$ 105 bilhões em 2020, de acordo com o levantamento.

As projeções utilizadas para realizar o estudo têm como base o cenário apresentado no relatório Focus, do Banco Central, que colhe a avaliação dos analistas para o desempenho da economia. Nele, as projeções são de queda de quase 2% do Produto Interno Bruto (PIB) e alta de 2,5% para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O Fundo Monetário Internacional (FMI), no entanto, estima uma queda de 5,3% no PIB – o que faria o consumo dessa faixa 'encolher' em R$ 131 bilhões.

Os integrantes da classe C1 enfrentam uma combinação perversa. São prejudicados pela deterioração do mercado de trabalho – muitos são empregados do setor privado ou atuam como conta própria – e não são amplamente beneficiados pelos programas emergenciais do governo federal.

"Apesar de ser mais abastarda, a classe A sente muito o impacto dessa crise nos investimentos, como o recuo da bolsa de valores, por exemplo", afirma Pazzini. "Essa população vai consumir menos diante da queda da rentabilidade (das aplicações financeiras)."

A única classe que deve apresentar um crescimento forte é a B2. Para esse grupo, o avanço esperado é de 9% – a alta, no entanto, é atribuída ao fato de muitos brasileiros terem migrado do estrato da B1, o que contribuiu para aumentar o potencial dessa classe. As demais vão ficar próximo da estabilidade.

Há um risco desse quadro ser ainda pior se as projeções mais pessimistas para a economia brasileira se confirmarem. Neste mês, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou a sua previsão para a atividade econômica mundial. Para o Brasil, o órgão projeta uma recessão de 5,3%.

Nesse cenário, a perda do potencial de consumo será maior em todas os estratos em relação ao cenário-base e seguirá mais intenso para as famílias com renda domiciliar de R$ 3 mil. Em 2020, com uma recessão de 5,3%, a classe C1 poderá perder R$ 131 bilhões em potencial de consumo, uma queda de 14% em relação ao observado no ano passado.


Auxílio socorre os mais pobres


Com os estragos provocados pela pandemia na economia, a equipe econômica anunciou uma série de medidas para tentar mitigar os efeitos da crise. A mais importantes delas é um auxílio emergencial de R$ 600 – por três meses inicialmente – para trabalhadores informais, desempregados, contribuintes individuais do INSS e Microempreendedor Individual (MEI)

"As classes mais baixas nem sempre têm uma regularidade na renda e agora pode passar a ter ao menos de forma momentânea", afirma o diretor-executivo da consultoria Plano CDE, Maurício Prado. "Nos lugares mais pobres, como no interior do Nordeste, o auxílio pode até trazer um boom de consumo."

O auxílio também poderá englobar os beneficiários do Bolsa Família se o valor for mais vantajoso do que o oferecido pelo programa.

Um exercício da consultoria Tendências dá uma dimensão do impacto que essa ajuda pode representar no orçamento doméstico. As 13,1 milhões de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família recebem, em média, R$ 200 mensais. Com o auxílio, a estimativa é de que o valor recebido por elas suba para R$ 1 mil por mês.

"É claro que muitos que estão no Bolsa Família trabalham de maneira informal e deve estar perdendo a renda do trabalho, ficando só com esse benefício", afirma a economista e sócia da consultoria Tendências, Alessandra Ribeiro. "E na hora que a economia voltar e o benefício acabar, esse grupo vai sentir o baque."


Consumo contribuiu para o crescimento


Ao todo, o levantamento da consultoria IPC Marketing indicou que o país deve perder R$ 30 bilhões em potencial de consumo, num cenário no qual a recessão é de 2%. Se a queda da atividade for de 5%, a redução será de R$ 161 bilhões.

A piora do quadro também marca uma inversão. Nos últimos anos, foi o consumo das famílias que mais contribuiu para o crescimento, ainda que tímido, da economia brasileira.

  • PIB do Brasil cresce 1,1% em 2019, menor avanço em 3 anos

Desde 2017, o crescimento do consumo da famílias dentro do PIB tem sido de cerca de 2%. Neste ano, a Tendências prevê uma queda de 5%, o que vai contribuir negativamente para uma recessão de 4,1%, segundo o cenário da consultoria.

Veja Mais
Siga "VITRINE MAIS"
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Google Places Social Icon
logo site.png
038 - 3676-7630
038 - 988089166

© 2016 Afonso Almeida Videocomunicação Ltda - CNPJ 02.524.026/0001-64 - por Kalléo Pinheiro - Agência Mais

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon