Produtores rurais se adaptam às mudanças de consumo de alimentos devido à pandemia

É preciso buscar novos canais de venda e repensar formas de relacionamento e atendimento do cliente

Apesar de não haver risco de desabastecimento de alimentos no País em virtude da pandemia do novo Coronavírus, os pequenos produtores rurais enfrentam o desafio de chegar até o cliente que, por prevenção, mudou os hábitos de consumo e basicamente tem se alimentado dentro de casa. Com a perda dos principais canais de venda, que são as feiras, bares e restaurantes fechados, temporariamente, os donos de pequenos negócios rurais devem buscar novos canais de comercialização e repensar formas de relacionamento e atendimento ao cliente.

Diante de um momento de crise, é preciso soluções para o negócio e enxergar novas possibilidades, que incluem a realização de parcerias, sejam elas por meio de associações ou cooperativas, para fazer as entregas (delivery) e aumentar o mix de produtos. Além disso, é importante encarar a situação como uma oportunidade de se aproximar do cliente, ouvindo demandas e, assim, fidelizá-lo para que se lembre do seu negócio depois que a crise passar.

Por exemplo, como muitos profissionais estão trabalhando em casa em regime de home office, pode ser uma oportunidade para agregar valor ao produto entregando-o em porções menores, já acondicionadas em kits específicos, como um kit de frutas, kit de folhosas e raízes. Também vale incluir um brinde na hora da entrega ou até mesmo uma sugestão de receita.

Marilini Della Valentina, produtora de verduras e legumes em Umuarama, noroeste do Paraná, vem recebendo pedidos e realizando entregas para os moradores da cidade. Para isso, ela montou um grupo com clientes para divulgar seus produtos pelo whatsapp e tem buscado ampliar o número de clientes. Ela manteve os preços cobrados na feira em que participava, antes da pandemia do Coronavírus. Há a isenção de taxa de entrega para compras acima de R$20.

Segundo ela, as entregas têm sido essenciais para o sustento de sua família. “Temos diversos custos com as nossas produções e essa foi a saída que a gente encontrou para conseguir se manter e conseguir ter algum lucro”, afirma ela.

Juanice Boszcz Brongel, que produz cogumelos, tomates e morangos para molhos e geleias na cidade de Contenda, região metropolitana de Curitiba, também tem investido em entregas para seus clientes, que incluem moradores e alguns estabelecimentos do município e da capital paranaense. Ela percebeu a queda da demanda e, por conta disso, resolveu ajudar outros produtores locais.

“A gente tem estocado alguns alimentos de cinco produtores da região que não estavam conseguindo vender em feiras ou no Ceasa. Dessa forma, eles não perdem aquilo que já plantaram e a gente busca realizar a venda desses produtos também para os nossos clientes. É uma maneira de ajudá-los em um momento tão difícil”, afirma.

Para que os produtos não estraguem, são armazenados dentro das próprias instalações da empresa. Ela também ressalta o cuidado com que o trabalho é feito. “Temos feito tudo de maneira muito organizada, observando os padrões de segurança e higiene para oferecer mais qualidade aos clientes”, ressalta.

O Sebrae recomenda que este momento de quarentena também seja uma oportunidade para os pequenos produtores rurais reunirem a família para discutir e planejar o empreendimento rural com ações de curto, médio e longo prazo. Além disso, devem rever os investimentos da produção para a próxima safra e, se os recursos estiverem apertados, reprogramar a produção, plantando em menos áreas da melhor forma possível sem esquecer da qualidade do processo produtivo.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para minimizar os prejuízos com a pandemia do novo Coronavírus:

• Estabeleça novos canais de comercialização, principalmente de pequenos mercados locais. Existe uma tendência de os consumidores buscarem esse pequeno negócio; • Explore plataformas de comercialização e/ou vitrine de produtos online para encontrar novos clientes. O Sebrae criou a plataforma Mercado Azul para anúncio de produtos e serviços; • Utilize as redes sociais para divulgar seus produtos e agendas de entregas, criando uma rotina semanal. Ao divulgar a lista de produtos disponíveis, separe-os por grupos de alimentos para melhor visualização; • Estabeleça um dia e horário da semana para realizar as entregas aos clientes, sempre evitando a aglomeração e o contato físico com as pessoas neste momento. Não se esqueça que é preciso disponibilizar os produtos de forma segura e em condições adequadas de higiene e transporte; • Utilize a criatividade para o condicionamento do seu kit de produtos por cliente fidelizado para facilitar as entregas. Para isso, realize um planejamento prévio dos produtos que cada cliente deseja consumir, semanalmente.

Veja Mais
Siga "VITRINE MAIS"
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Google Places Social Icon
logo site.png
038 - 3676-7630
038 - 988089166

© 2016 Afonso Almeida Videocomunicação Ltda - CNPJ 02.524.026/0001-64 - por Kalléo Pinheiro - Agência Mais

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon