Demarcação de terra deve ficar com o Ministério da Agricultura, diz CNA

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil afirma que o Incra detém vasta experiência no trato das questões fundiárias no país

Fonte: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) protocolou nesta quarta-feira, dia 20, no Supremo Tribunal Federal (STF), um pedido para participar do julgamento de uma ação que questiona a competência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na demarcação de terras indígenas.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 6.062/DF, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), contesta a transferência da responsabilidade pelas demarcações dessas terras da Fundação Nacional do Índio (Funai) para o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) que está sob a responsabilidade do Mapa.

Na petição encaminhada ao relator da matéria, ministro Roberto Barroso, a CNA alega que a mudança representa apenas uma reorganização administrativa e não ameaça nenhum direito dos povos indígenas ou viola a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A CNA diz que o Incra detém vasta experiência no trato das questões fundiárias no país e poderá, por meio de uma atuação global, compor melhor os interesses dos povos indígenas, dos quilombolas, dos assentamentos de reforma agrária e dos produtores rurais.

Entenda o caso

Em dezembro de 2018, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, pretendia transferir a gestão da Fundação Nacional do Índio (Funai) da pasta da Justiça para o Ministério da Agricultura.

Na época, Onyx ressaltou que a decisão ainda estava em estudo, mas afirmou que tem conversado com lideranças indígenas e pesquisadores. A ideia seria mudar a abordagem sobre a questão indígena no país.

“Nós temos áreas de atuação, a Funai é apenas uma delas, que precisa de novo direcionamento, nova fórmula. O Brasil, há muitos anos, cuida dos seus índios através de ONGs, que nem sempre fazem um trabalho mais adequado. A população indígena tem reiterado que ela quer sua liberdade, sua independência, mantendo suas tradições, mas não necessariamente quer ficar na situação em que muitas comunidades indígenas no Brasil estão”, afirmou.

Veja Mais
Siga "VITRINE MAIS"
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Google Places Social Icon
Banner Store 10-12-20.jpeg
logo site.png
038 - 3676-7630
038 - 988089166

© 2016 Afonso Almeida Videocomunicação Ltda - CNPJ 02.524.026/0001-64 - por Kalléo Pinheiro - Agência Mais

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon