Café: Cotações do arábica iniciam semana com alta de mais de 100 pts na Bolsa de Nova York


As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) iniciam a semana com alta de mais de 100 pontos e estendendo os ganhos registrados na sessão anterior e próximas de US$ 1,40 por libra-peso. O mercado avançou nos últimos dias com suporte do financeiro e informações sobre a oferta do Brasil. Mapas climáticos apontam uma nova onda de frio nesta semana no país.


Por volta das 09h14 (horário de Brasília), o contrato julho/17 registrava 131,70 cents/lb e alta de 235 pontos (fechamento da sessão anterior), o setembro/17, referência de mercado, estava cotado a 134,80 cents/lb com valorização de 110 pontos. Já o vencimento dezembro/17 subia 105 pontos, a 138,35 cents/lb, e o março/18, mais distante, tinha alta de 100 pontos e estava sendo negociado a 141,75 cents/lb.


"Essa nova massa polar é continental e o frio será intenso, elevando o risco para ocorrência de geadas em áreas de café e de cana-de- açúcar. O monitoramento dessa massa polar e do risco de geada vai continuar nos próximos dias", reportou a Climatempo em referência ao clima prevista para essa semana no Brasil.


No Brasil, por volta das 09h14, o tipo 6 duro era negociado a R$ 450,00 a saca de 60 kg em Espírito Santo do Pinhal (SP) – estável, em Guaxupé (MG) os preços também seguiam estáveis a R$ 458,00 a saca e em Poços de Caldas (MG) estava sendo cotado a R$ 449,00 a saca. Os negócios com café continuam isolados nas praças do Brasil.


Veja como fechou o mercado na sexta-feira:


Café: NY encerra semana com alta de mais de 4% e vencimentos voltam a se aproximar de US$ 1,40/lb


O mercado do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fechou a semana com altas próximas de 4% e alguns vencimentos mais distantes voltaram a se aproximar do patamar de US$ 1,40 por libra-peso. As cotações avançaram a questão financeira e informações sobre a oferta no Brasil. O vencimento setembro/17 encerrou o dia no maior patamar em seis semanas e meia.


No mercado interno, os negócios com café seguem isolados com cafeicultores ainda atentos aos trabalhos de colheita e à espera de melhores patamares de preço. (Veja mais informações abaixo)


Nesta sexta-feira, o contrato julho/17 fechou a sessão cotado a 131,70 cents/lb com alta de 235 pontos, o setembro/17, referência de mercado, registrou 133,70 cents/lb com avanço de 250 pontos. Já o vencimento dezembro/17 encerrou o dia com 137,30 cents/lb e valorização de 250 pontos e o março/18, mais distante, subiu 250 pontos, fechando a 140,75 cents/lb.


Na sessão anterior, a alta também foi expressiva no mercado do arábica. De acordo com o analista de mercado da Safras & Mercado, o mercado encontrou suporte, principalmente, de olho nas questões financeiras. "Essa puxada em Nova York está ligada ao dólar no Brasil, paralelamente a isso tem a questão do petróleo e também um pouco de pressão em relação à safra brasileira. Esses fatores ajudaram o café a romper a linha dos US$ 130,00 cents/lb", afirma.


O petróleo tem peso no índice de commodities, pois serve de referência para os fundos atuarem no mercado.


O dólar comercial fechou a sessão desta sexta-feira com queda de 0,73%, a R$ 3,1849 na venda, no menor patamar desde 17 de maio, repercutindo dados econômicos fracos dos Estados Unidos e um ambiente mais tranquilo