Estados do Sul pedirão ao governo limite para importação de leite


Aliança Láctea Sul Brasileira encaminhará documento a deputados, senadores, governo e lideranças do agronegócio nacional com pedidos considerados emergenciais

O setor lácteo do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná pedirá ao governo um limite na importação de leite, definições de cotas para aquisições do Uruguai e a proibição da reidratação de leite importado. A chamada Aliança Láctea Sul Brasileira encaminhará nos próximos dia um documento a deputados, senadores, governo e lideranças doagronegócio nacional com os três pedidos considerados pelo grupo como emergenciais.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (19/10), o Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) afirma que as demandas foram definidas em reunião realizada em Curitiba. "Alinhamos temas que são urgentes no setor para os três Estados", afirmou o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini. O Sindilat diz ainda que deve ser publicada até esta sexta-feira, pelo Ministério da Agricultura, portaria proibindo a reidratação de leite em póvindo do Uruguai.O setor lácteo do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná pedirá ao governo um limite na importação de leite, definições de cotas para aquisições do Uruguai e a proibição da reidratação de leite importado. A chamada Aliança Láctea Sul Brasileira encaminhará nos próximos dia um documento a deputados, senadores, governo e lideranças doagronegócio nacional com os três pedidos considerados pelo grupo como emergenciais.Em nota divulgada nesta quarta-feira (19/10), o Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) afirma que as demandas foram definidas em reunião realizada em Curitiba. "Alinhamos temas que são urgentes no setor para os três Estados", afirmou o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini. O Sindilat diz ainda que deve ser publicada até esta sexta-feira, pelo Ministério da Agricultura, portaria proibindo a reidratação de leite em póvindo do Uruguai.

Veja Mais